Transtorno do Espectro do Autismo e Inclusão Social

Transtorno do Espectro do Autismo e Inclusão Social

Transtorno do Espectro do Autismo e Inclusão Social

Você sabia que dia 2 de Abril é comemorado o dia mundial da consciência do autismo?

 

Para fortalecer a celebração hoje vamos falar sobre Transtorno do Espectro do Autismo e Inclusão Social.

 

Um dos temas mais relevante não só para os indivíduos que têm o transtorno do Espectro do Autismo, mas para toda a nossa sociedade.

 

Então, vamos lá?

 

Autismo e Inclusão Social.

 

O Transtorno do Espectro do Autismo é uma condição que afeta diretamente a capacidade de interação e comunicação de um indivíduo.

 

Tais aspectos são indispensáveis para qualquer pessoa viver em sociedade.

 

Daí já se percebe a necessidade de se falar sobre este assunto.

 

Nem sempre é fácil combinar o autismo e a Inclusão social no mesmo contexto.

 

Mas é necessário que haja um esforço e principalmente conscientização de profissionais, família e todas as pessoas do convívio do indivíduo, para que este seja acolhido e possa se desenvolver da melhor maneira possível.

 

A importância da comunicação

 

Por que muitas vezes é difícil incluir a pessoa com TEA no convívio comum?

 

Estes indivíduos não se conectam com o mundo ao seu redor da mesma maneira que as demais pessoas.

 

A comunicação é indispensável para o desenvolvimento de todos nós, tanto para o aprendizado quanto para a construção de relações interpessoais.

 

Nós somos seres  relacionais. Nós aprendemos observando e somos necessitados de afeto, amizade, amor e vínculos afetivos.

 

A criança autista não é diferente. A comunicação será essencial para o seu desenvolvimento como ser humano.

 

No entanto, o que para muitos é comum para o autista é um grande desafio.

 

Todo indivíduo com TEA necessita de estímulos para desenvolver a comunicação.

 

Claro que esses estímulos devem ser ajustados para cada paciente e suas necessidades específicas.

 

Algumas crianças por exemplo desenvolvem bem a linguagem, mas não falam, ou falam apenas para expor algo sobre um assunto pelo qual exercem certo fascínio.

 

Mas resumindo, podemos dizer que o primeiro passo para promover a inclusão social das crianças com TEA é desenvolver nelas a comunicação.

 

Veja também: Contato Visual no autismo: Qual a importância e Como Estimular?

 

Cada caso é um caso!

 

O indivíduo que tem autismo é um ser único! Possui seu próprio mundo, suas próprias dificuldades e próprios avanços.

 

Ou seja, apesar desta condição ter suas características próprias elas se manifestam de maneiras diferentes em cada um.

 

Sendo assim apenas um profissional bem qualificado poderá determinar a abordagem que melhor funciona com cada um.

 

No entanto, apesar de sabermos que não existe uma cura definitiva (até porque não se trata de uma doença), estudos comprovam que a Análise comportamental e as intervenções fonoaudiológicas precoces são capazes de aumentar as habilidades de comunicação dessas crianças e melhorar o seu desenvolvimento como um todo.

 

Os resultados que tem surtido da Intervenção Precoce com esses pacientes é realmente impressionante.

 

Muitos deles quando chegam à fase adulta, levam uma vida completamente normal, conseguindo viver em sociedade e fazer tudo o que todo mundo faz: Namorar, trabalhar, estudar, casar, ir à faculdade e por aí vai!

 

O segredo é começar o quanto antes com a intervenção, para que a criança tenha todo o suporte da equipe multidisciplinar.

 

Quanto mais cedo ela for estimulada melhores serão os resultados.

 

Como estimular a criança?

 

É importante entender que uma pessoa autista não é menos inteligente que as outras, ela apenas necessita dos estímulos corretos para desenvolver as áreas em que possui dificuldades.

 

Para estimular essas crianças é necessário procurar a orientação de um profissional.

 

Muitos pais se perguntam que profissional procurar neste momento.

 

Não é possível um único profissional conduzir o desenvolvimento da criança com TEA.

 

Para isso é necessário uma equipe multidisciplinar, ou seja, uma equipe de diferentes profissionais que trabalharão cada aspecto da criança individualmente.

 

O profissional responsável pelo desenvolvimento da fala, linguagem e comunicação é o fonoaudiólogo.

 

Para questões de interação e comportamento, um Analista do comportamento poderá acompanhar e orientar o desenvolvimento da criança.

 

Os pais são de suma importância nesse processo, especialmente no desenvolvimento da comunicação e da interação.

 

Afinal, são eles que têm contato diário com a criança.

 

O problema é que muitas vezes esses pais sofrem com a falta de informação.

 

Cabe a cada profissional a responsabilidade, não só de cuidar das crianças, mas de orientar os pais da maneira adequada.

 

A família também precisa ser acolhida nesta ocasião.

 

Quanto mais a família estiver engajada neste processo junto com a equipe multidisciplinar, maiores as chances da intervenção ser bem sucedida.

 

Este é o melhor caminho para estimular o indivíduo.

 

Os grandes desafios do autista no Brasil

 

Desafios do autista no Brasil

 

Para falar de Inclusão social e autismo temos que citar o contexto da sociedade como um todo.

 

Uma nação que deseja ser justa precisa trabalhar a inclusão de todos os indivíduos.

 

Todos devem ter um espaço, ser respeitados e aceitos.

 

Mas parece que viver em uma nação justa é um sonho distante para nós.

 

Os indivíduos que possuem TEA não tem nenhuma característica física que evidencie a condição.

 

No entanto, as características em seu comportamento, interação e comunicação são muitos marcantes e por vezes difíceis de lidar para pessoas que não estejam preparadas.

 

O grande empecilho para a inclusão social das pessoas autistas ainda é a falta de informação.

 

Veja por exemplo o que acontece nas escolas…

 

O primeiro contato com a sociedade, sem ser com a própria família, é com a escola e este é um grande desafio para essas crianças.

 

As escolas precisam estar preparadas para acolher estes alunos, do contrário podem ser um ambiente cruel para eles.

 

No Brasil, muitas vezes o corpo docente, especialmente nas escolas públicas, não está preparado para recebê-las.

 

Isso leva muitos pais a  fazerem um grande esforço para manter seus filhos em escolas particulares que oferecem uma estrutura melhor e uma rede de apoio para as crianças nesta condição.

 

É necessário que haja uma preparação maior dos profissionais, o Estado precisa garantir que todas as crianças tenham o apoio necessário nas escolas públicas.

 

Além disso, é preciso falar sobre autismo com quem não é autista,  para que haja mais empatia não só com os pacientes mas também com suas famílias.

 

A conscientização é o caminho para a inclusão.

 

Concluindo

 

Autismo e Inclusão Social são assuntos que ainda trarão muitas discussões à tona, e isso é ótimo precisamos abrir espaço para este tema.

 

Ainda vamos descobrir muitas coisas sobre o TEA e creio que a realidade das nossas crianças só pode melhorar daqui para a frente.

 

No mais, aprendemos que a comunicação é um grande desafio no autismo.

 

Precisa ser estimulado o quanto antes, quanto melhor for o desenvolvimento da criança mais fácil será incluí-la.

 

Muitos adultos autistas, como já falamos, levam vidas extraordinárias e tem relações incríveis de amizade, amor, trabalho e etc.

 

Tudo isso é possível!

 

Hoje foi isso, espero que você tenha gostado.

 

Se você tem ou conhece alguém que tenha um filho com TEA e que gostaria de ser avaliado pela nossa equipe de profissionais entre em contato pelo WhatsApp 11. 99460 8548 e marque uma consulta.

 

Compartilhe, curta e comente neste post, queremos ouvir a sua opinião!

 

Feliz dia Mundial da consciência do autismo!

Qual a sua opinião