Como desenvolver a linguagem de crianças com TEA usando Método Denver?

Como desenvolver a linguagem de crianças com TEA usando Método Denver?

Como desenvolver a linguagem de crianças com TEA com o Método Denver?

Nas próximas linhas eu vou falar brevemente sobre Como desenvolver a linguagem de crianças com TEA( transtorno do Espectro Autista) utilizando o Método Denver.

 

Eu sempre recebo muitas perguntas de pais interessados em melhores formas para desenvolver a fala e a linguagem de crianças com TEA.

 

A linguagem realmente é um dos fatores mais afetados pelo autismo e isso acaba gerando muita angústia nesses pais.

 

Para resolver este e outros aspectos afetados pelo autismo sempre estamos em busca de novos métodos e novas abordagens.

Por isso hoje eu decidi falar sobre Como funciona o Método Denver de estimulação Precoce e se ele pode ser utilizado para o desenvolvimento da linguagem de crianças  com TEA.

 

Eu devo confessar que este é assunto que eu amo!

 

Assim como a Terapia ABA, o método Denver veio para nos ajudar a compreender e a desenvolver essas crianças de uma forma mais específica.

 

Se o seu filho possui TEA, ou você suspeita que ele tenha, ou ainda se seu filho possui uma idade em que já deveria estar falando mas parece não se interessar em interagir e se comunicar…

 

Preste atenção neste artigo.

 

Vamos entender Como desenvolver a linguagem de crianças com TEA com o Método Denver.

Mas antes vamos relembrar.

 

Sobre o autismo

 

Transtorno do espectro do autismo é uma condição que afeta diretamente o desenvolvimento do indivíduo de uma forma global.

A principal dificuldade está relacionada à capacidade de interação social e a comunicação da pessoa.

Para que você entenda o indivíduo que possui TEA vive em um mundo paralelo. Só dele.

No artigo onde eu falo sobre a Terapia ABA eu disse que as crianças com autismo não se conectam com o mundo da maneira habitual, e isso pode abalar suas relações sociais e afetivas.

Aliás, se você quiser conhecer este outro método também leia este artigo onde eu falo mais sobre isso: Conheça Terapia ABA para autismo.

Aqui no consultório nós atendemos tanto com Terapia ABA quanto com o método Denver, inclusive a nossa psicóloga também utiliza os princípios da ABA nas intervenções.

É claro que é sempre importante avaliar cada caso, a intenção é sempre trazer algo o mais personalizado possível para cada paciente, ainda mais quando se trata de crianças com TEA.

Eu diria, que uma das coisas mais importantes nesses casos é começar a estimulação o mais cedo possível.

Quanto antes começar a Intervenção com a Equipe multidisciplinar, identificando as áreas em que a criança necessita de maior atenção, melhor será o desenvolvimento deste indivíduo.

Para que você entenda melhor vamos nos aprofundar mais no que é autismo.

 

Características da Criança com TEA

 

O autismo pode se manifestar em diferentes graus, desde leve, passando por moderado até o nível severo.

Estes são alguns dos sinais apresentados por crianças autistas:

  • Podem apresentar atraso na fala e dificuldades para desenvolver a linguagem.
  • Podem não possuir interesse em se relacionar e se comunicar.
  • Não lidam bem com mudanças, tudo precisa estar do jeito que eles já conhecem.
  • Desenvolvem interesses obsessivos, se eles gostam de algo ficam fascinados por aquilo.
  • Tem comportamentos repetitivos, que muitas vezes são considerados inadequados, como bater a cabeça, inclinar repetidamente o tronco para frente e para trás.
  • Levam tudo ao “pé da letra”, não entendem piadas ou frases de duplo sentido.
  • No caso das crianças, tem dificuldades em brincar de faz de conta.
  • Desviam o olhar quando falam com alguém, evitam ao máximo contato visual.

Entre outros.

 

 TEA tem cura?

 

O autismo não é uma doença, é um transtorno que dificulta algumas habilidades da criança relacionadas à socialização.

Portanto não existe cura para o autismo, o que existe é acompanhamento e o estímulo certo para desenvolver a criança.

Hoje, nós já temos muito mais informação a respeito deste transtorno e já é possível alcançar resultados incríveis com as Intervenções.

A maior dificuldade ainda é chegar ao diagnóstico precoce. A maioria dos autistas no Brasil ainda são diagnosticados de forma tardia.

Isso porque muitas vezes o transtorno pode ser confundido com outros distúrbios similares.

Por isso buscar um profissional especializado é de suma importância.

É possível perceber sinais de autismo em crianças na primeira infância e também é possível e indicado chegar ao diagnóstico ainda nessa fase.

Muitas crianças que receberam esse diagnóstico precoce e começaram a Intervenção intensiva ainda nessa fase tiveram um desenvolvimento excelente.

Esses pacientes levam uma vida normal, com pouquíssimo ou, em alguns casos, nenhum sinal de autismo.

(Lembrando que cada caso é um caso).

Você verá que o Método Denver de estimulação Precoce é justamente indicado para crianças que tiveram a oportunidade de receber o diagnóstico mais cedo.

 

Como a Fonoaudiologia ajuda a criança com TEA.

 

A Fonoaudiologia é uma das principais áreas de atuação no autismo.

Nós vimos que as crianças com TEA enfrentam dificuldade de comunicação, podem apresentar atrasos na Fala e no desenvolvimento da linguagem.

A fono é a área responsável por estudar melhores formas para desenvolver a linguagem de crianças com TEA, e todos os aspectos relacionados a isso.

Crianças autistas têm dificuldade, por exemplo, para se comunicar dentro de um contexto.

A fonoaudiologia estuda estes e outros aspectos de cada indivíduo especificamente, para definir melhores intervenções em cada caso.

 

O Método Denver

 

O Método Denver de Intervenção Precoce para autismo surgiu nos EUA  no início do anos 80, através dos estudos e pesquisas da Dra. Sally Rogers e de sua equipe.

Sua eficácia é cientificamente comprovada, e por se tratar de um método de Intervenção Precoce é indicado para crianças de até 5 anos.

O método ajuda a desenvolver a criança em relação aos atrasos causados pelo autismo.

Na fonoaudiologia podemos utilizar para desenvolver a linguagem de crianças com TEA, ou quaisquer outros aspectos relacionados à fala, linguagem, interação etc.

O método consiste basicamente em estabelecer relações humanas com a criança através daquilo que ela mais gosta de fazer.

O método Denver traz uma abordagem mais naturalista, ou seja, é aplicado no ambiente que é mais natural para a criança através de atividades, brincadeiras e exercícios que estimulam o seu desenvolvimento.

A criação dessa relação entre paciente e profissional também ajuda muito no sucesso do estímulo.

A ideia é criar atividades no ambiente comum que envolvam pessoas, justamente para ajudar a desenvolver a interação.

Tudo isso sem abandonar os princípios da ciência da análise aplicada do comportamento (ABA).

 

Conclusão

 

Uma das principais dúvidas que os pais de crianças com TEA possuem é em relação a qual Intervenção será melhor para seus filhos.

Essa busca não é só para desenvolver a linguagem de crianças com TEA ou a fala, mas para qualquer aspecto que o autismo tenha afetado.

Independente do método, lá ficou comprovado que começar a Intervenção de forma precoce e intensiva é o indicativo mais forte de sucesso no desenvolvimento dessas crianças.

Quanto ao método Denver, eu utilizo esse princípios com diversos dos meus pacientes e os resultados têm sido satisfatórios.

Não posso indicar de forma generalizada porque cada paciente deve sempre ser avaliado de forma individual para que a Intervenção também seja personalizada.

Mas vejo que esta é uma das melhores abordagens de Intervenção Precoce para a maioria dos pacientes dentro da idade indicada.

Inclusive para desenvolver a linguagem de crianças com TEA.

Eu espero que você tenha gostado deste artigo.

Lembrando que…

Se você tem um filho com TEA e deseja conhecer mais benefícios do modelo Denver de Intervenção precoce procure um profissional e marque uma avaliação o quanto antes.

Se quiser marcar sua avaliação conosco entre em contato pelo Whatsapp 11 99460-8548 e marque uma consulta.

Teremos prazer em cuidar do seu bebê.

Compartilhe com que você conhece que gostaria de saber mais sobre este assunto.

Qual a sua opinião