A Importância da Estimulação da Musculatura Facial na Síndrome de Down!

A Importância da Estimulação da Musculatura Facial na Síndrome de Down!

estimulação da musculatura facial na síndrome de down

Uma das Maiores surpresas que algumas mamães de bebês com Síndrome de Down podem ter é descobrir que o processo de amamentação pode ser um pouco mais difícil com seus filhos.

Digo isso porque não é com todas as crianças portadoras da Síndrome que acontece, mas é muito comum esses bebês levarem mais tempo para aprender a sugar e ter mais dificuldade em relação a isso.

Por que será que isso acontece? Eu garanto a você existe uma boa explicação, você vai descobrir neste artigo a importância da estimulação da Musculatura Facial na Síndrome de Down!

Vamos entender por que esses bebês podem ter dificuldade em mamar logo que nascem e posteriormente se comunicar através da fala.

A informação é sempre a nossa melhor arma para conquistar mais saúde e qualidade de vida, continue lendo este texto para entender mais sobre este assunto.

 

A estimulação da musculatura facial na Síndrome de Down!

 

É importante que a família e todos que convivem com a criança portadora da Síndrome de Down entenda que o do processo de desenvolvimento destes indivíduos leva mais tempo do que da maioria das pessoas. E de preferência deve ser estimulado constantemente  para melhorar o desempenho de seus movimentos e habilidades.

Entre os fatores mais trabalhados com a equipe multidisciplinar estão as habilidades que envolvem o raciocínio, a memória, movimentos e a musculatura, inclusive a musculatura facial, da qual estamos falando hoje.

A estimulação da musculatura facial na síndrome de Down é fundamental para a saúde e é necessário ter um acompanhamento especializado, em especial, de um fonoaudiólogo. Este acompanhamento deve ir desde quando ainda bebê (desde o nascimento, preferencialmente) até a fase adulta.

Veja neste outro Artigo A importância da Estimulação Precoce na Síndrome de Down.

Bebês com síndrome de Down podem apresentar o que chamamos de Hipotonia, onde há uma redução de força muscular e coordenação motora. Isso faz com que a musculatura da face e da boca apresente dificuldades de movimentos como mastigar, engolir, sugar, respirar, falar, entre outros.

 

O que fazer se eu estiver com dificuldade na amamentação?

 

Para que você entenda melhor do que estamos falando, podemos dizer que os bebês com síndrome de Down são mais “molinhos”, a musculatura não é fortalecida, por isso precisa ser exercitada da maneira correta para que se fortaleça.

Sabemos o quão importante é o aleitamento materno do bebê especialmente recém-nascido, por isso desde que o diagnóstico é confirmado uma equipe estará disponível para ajuda-la em todos os aspectos, inclusive este.

Um fonoaudiólogo poderá trabalhar a estimulação da musculatura facial na síndrome de down, desde o momento em que o bebê nascer. Tudo isso, tendo como princípio, o desenvolvimento das estruturas orofaciais e uma boa nutrição, sempre favorecendo a amamentação.

 

A intervenção com o Fonoaudiólogo.

 

Junto ao fonoaudiólogo, podemos tratar de algumas questões em especial, dependendo de quais forem as maiores necessidades e as fases onde se deve ter maior atenção e cuidados.

Podem ser questões como, as dificuldades de alimentação, de respiração, linguagem oral, leitura, escrita, articulação dos sons e entre outras funções orais e de coordenação.

O simples ato de sugar, por exemplo, é um exercício que contribui diretamente para o desenvolvimento e o crescimento das estruturas e musculaturas da face e também da boca. No entanto, sugar nem sempre é algo fácil para essas crianças, e é aí que o fonoaudiólogo entra.

Veja algumas fases em que este profissional pode ajudar o seu bebê.

 

Amamentação

 

Nunca é demais reforçar que a atenção com a amamentação é muito importante na vida de qualquer criança, imagine para os recém-nascidos com síndrome de Down que são mais propensos a algumas doenças e infecções.

O aleitamento materno ajuda no desenvolvimento e na resistência do bebê. Por isso, é importante a atenção dedicada da família, e caso o bebê apresente alguma dificuldade o fonoaudiólogo poderá oferecer auxílio para a mãe e para o bebê.

 

Introdução alimentar

 

Após a amamentação, quando a criança passar a ingerir alimentos sólidos, o fonoaudiólogo poderá orientar a escolha dos alimentos e utensílios (Ex: garfos, colheres, etc.) que podem ajudar no desenvolvimento da musculatura da boca, mandíbula e também da face.

Já que mastigar, assim como sugar é um excelente exercício natural para estimulação da musculatura facial na síndrome de down.

 

Comunicação

 

Além disso, o fonoaudiólogo deverá fornecer apoio sobre a construção da linguagem e também na relação com áreas de desenvolvimento humano, fundamentais para desenvolver a comunicação.

É importante que elas entendam os conceitos de comunicação e linguagem e que tenham o desejo de se comunicar e se expressar desde cedo.

A fala pode ser o meio mais difícil de comunicação para crianças com síndrome de Down, podendo apresentar uma sonoridade característica e a dicção um pouco “enrolada”, justamente por conta da hipotonia.

Vale ressaltar que, em alguns casos, a criança é capaz de se comunicar antes de aprender a falar. Através de gestos e expressões que ela mesma desenvolve para se comunicar até que esteja totalmente apta a dialogar e conversar com uma boa dicção.

 

A importância da Família!

 

Outra atitude importante que é recomendável é a criança sempre ser estimulada e exercitada pela família.

Uma dica que eu dou para os pais ou cuidadores é que sempre esperem um pouco mais de tempo para a criança responder e/ou iniciar algum tipo de comunicação, sempre deixando claro que você está esperando por esta comunicação. Use bastante expressão facial nos diálogos isso é muito importante para a criança desenvolver a comunicação.

Você pode também, usar perguntas para indicar que você está esperando pela comunicação, como, por exemplo:

 

  • “O que faremos agora?”,
  • “Aonde vamos?”,
  • “E agora?”,
  • “Podemos fazer mais alguma coisa?”,
  • “Como que você faz isso?” etc.

 

Lembrando que, sempre que você não tiver uma resposta, você pode interagir com mais um pouco de ênfase, fazendo perguntas como: “O que você quer?”, “O que quer me dizer?”, “Como que se faz?”, “Quer me pedir alguma coisa?”, “Você tem que me pedir.”, e assim por diante.

Claro que nesta fase a criança já estará maior, nosso objetivo aqui será desenvolver a fala. Se você começou cedo Estimulação da Musculatura Facial na Síndrome de Down a criança poderá ter um resultado muito bom na formação das palavras.

A questão dos movimentos é muito importante para isso por isso ao ensinar alguma palavra ou movimentos novos da face, procure estimular bastante a movimentação da boca, da mandíbula e do maxilar, e até mesmo da língua.

Estimule sorrisos, mastigação correta, piscar dos olhos e locomoção do pescoço. Tudo isso é indispensável para o estímulo da criança.

Com o apoio do profissional você saberá exatamente quais estímulos e quais momentos do seu dia você poderá aplica-los.

 

Concluindo

 

Não tem como fazer a estimulação Estimulação da Musculatura Facial  na Síndrome de Down sem o apoio de um profissional.

Neste artigo quisemos mostrar a importância de começar a estimulação cedo. Aliás não só a estimulação da musculatura em si, mas a estimulação precoce completa ajuda o paciente a se desenvolver e alcançar uma qualidade de vida inimaginável.

Os resultados são incríveis! Saiba que essas crianças com os estímulos corretos serão adultos com vidas excepcionais, que trabalham, vão à festas, fazem amigos namoram, casam, estudam e fazem de tudo.

Mas isso só é possível com o apoio familiar, acima de tudo e também com a instrução correta por parte de profissionais da área da saúde responsáveis pelo seu desenvolvimento.

Para nós, fonoaudiólogos fica a missão de acolher essas famílias e principalmente as mães dessas crianças, para que possam passar com tranquilidade por cada etapa.

Em relação ao processo de estimulação da musculatura facial na síndrome de down, só será concluído quando a pessoa já estiver em condições de se comunicar e interagir, expressando o que pensa ou sente, de modo que as pessoas compreendam com facilidade, além de estar se alimentando normalmente, sem problemas respiratórios ou de movimentação.

Se você desejar marcar uma consulta conosco para descobrir como nós podemos ajudar você e o seu bebê a se alimentar melhor, e/ou se comunicar melhor entre em contato conosco através do WhatsApp 11. 9 9460 8548.

Será um prazer atender você.

Qual a sua opinião