Como lidar com a troca de letras na escrita das crianças.

Como lidar com a troca de letras na escrita das crianças.

O que fazer quando uma criança comete troca de letras na escrita?

Este é o caso do seu filho?

Até que ponto é normal que uma criança cometa certos erros em sua escrita?

Bom! Existe alguma normalidade em erros na escrita das crianças que ainda estão em fase de aprendizado. No entanto, pais atentos, e principalmente professores experientes, são capazes de identificar quando os erros da criança já deveriam ter sido superados.

Se você sente que seu filho está aprendendo todos os dias novas palavras, mas parece continuar errando em determinados vocábulos, provavelmente é hora de buscar ajuda.

Se você já tentou de tudo, mas não sabe mais o que fazer para o seu filho aprender a escrever corretamente, e se a professora já tentou mudar de metodologia com ele e mesmo assim nada adiantou…

Esse artigo pode indicar um caminho para ajudar crianças que escrevem errado.

Vamos entender por que algumas crianças cometem troca de letras na escrita.

 

O que causa troca de letras na escrita- O motivo!

 

Aprender a ler e a escrever é um passo importante para o desenvolvimento das crianças em idade escolar. Isto significa a descoberta de um mundo novo em que se transforma aquilo que se fala em códigos gráficos e se decifra os códigos gráficos em palavras. Este é sim um processo complexo, em que podem acontecer algumas dificuldades, mas se as dificuldades não desaparecerem com o tempo podem significar transtornos de aprendizagem.

Para que você entenda, transtorno de aprendizagem é quando o indivíduo possui uma inabilidade específica como leitura, escrita ou matemática, apresentando resultados abaixo do esperado para sua idade ou grau de escolaridade.

O Transtorno de aprendizagem só pode ser diagnosticado após uma análise completa dos fatores externos ao qual a criança está exposta, ou seja, ambiente escolar, método pedagógico, relação com os pais, etc. Se a causa da dificuldade da criança for quanto ao método pedagógico, por exemplo, nós consideramos que a criança possui dificuldade escolar, que pode ser solucionada na própria sala de aula. Mas se o professor já tentou mudar o método e mesmo assim a criança apresenta dificuldades é hora de avaliar o possível transtorno.

No geral, existem dois transtornos que podem causar não só troca de letras na escrita, mas também omissão, adição, confusão de letras que possuem fonemas parecidos, e etc.

Um deles está diretamente ligado a escrita, o outro está ligado à leitura e à escrita.

Vamos falar a seguir sobre os dois transtornos que podem ser responsáveis pela troca de letras na escrita:

 

Transtorno de Leitura (Dislexia):

 

A dislexia é um transtorno de aprendizagem que afeta a leitura e a escrita. Pode afetar a fluência, decodificação e compreensão da leitura, recordação, ortografia e, às vezes, a fala.

Crianças que possuem dislexia têm dificuldade em relacionar a letra com o som, por isso acabam tendo dificuldades para desenvolver a leitura e por consequência a escrita, também tem dificuldade em compreender os textos.

Sendo assim o processo de aprendizado da leitura e escrita acaba demorando muito mais.

Veja algumas trocas de letras que podem ocorrer em textos de crianças disléxicas:

  • f – t
  • d – b
  • m – n
  • w – m
  • v – f
  • sol – los
  • som – mos

 

A dislexia é um problema genético e hereditário. As crianças que possuem dislexia são muito inteligentes, mas possuem essa dificuldade porque o cérebro delas funciona de uma forma diferente. Sendo assim, não existe uma cura para dislexia, mas sim o trabalho da equipe multidisciplinar para ajustar o método de aprendizagem que será mais eficaz para essa criança, o que já traz bons resultados e uma melhora significativa para o indivíduo.

O diagnóstico vem através de uma série de exames e testes. Confirmado o diagnóstico o fonoaudiólogo, psicopedagogo e a equipe multidisciplinar deverão começar uma intervenção psicopedagógica com a criança.

Porém é muito importante que os pais busquem profissionais especializados e experientes, para que não haja confusão no diagnóstico. Se uma criança produz textos com trocas de letras na escrita, a dislexia não é a única possibilidade, existe ainda outro transtorno que pode ser o causador da dificuldade, a disortografia.

 

Transtorno De Escrita (Disortografia):

 

A disortografia é uma dificuldade relacionada especificamente à escrita. Ou seja, enquanto na dislexia a criança possui dificuldade de leitura e escrita, na disortografia a criança não terá dificuldade em ler, mas sim em aprender regras gramaticais para a escrita correta das palavras.

Podemos então definir disortografia como uma perturbação que afeta as aptidões da escrita e que se traduz em dificuldades persistentes na capacidade da criança produzir textos.

Além das trocas de letras na escrita pode ocorrer omissão, adição ou inversão de letras nas palavras.

Por exemplo: Escrever “n” ao invés de “m” antes de “p e b”, trocar o “r” pelo “rr”, ou “Ch” por “X”, e assim por diante.

Isso tudo considerando que o professor já tenha ensinado essas lições, e que os erros e trocas de letras continuem acontecendo. Os erros na disortografia são regulares, e geralmente com letras que possuem fonemas parecidos, diferente do que acontece com a pessoa que tem dislexia, que pode trocar letras parecidas e também as que não têm nada em comum.

No geral, a troca de letras na escrita da pessoa disortográfica pode fazer algum sentido para o leitor, ou seja, quando o professor ou os pais leem o texto eles entendem o que a criança pretendia escrever.

Além disso, ao ler o texto a própria criança pode perceber que tem algo errado.

 

Como o Fonoaudiólogo pode ajudar.

 

Em ambos os casos o fonoaudiólogo é peça fundamental para tratar e ajudar no desenvolvimento da criança, o tratamento só pode ser definido após diagnóstico e definido especificamente para cada caso, independente se a criança tem disortografia ou dislexia, ou ainda, os dois além de outros transtornos relacionados.

Tudo deve ser levado em consideração para o melhor prognóstico. Este é o papel do fonoaudiólogo, assegurar que o diagnóstico estará correto.

Sendo assim o papel do fonoaudiólogo neste processo é avaliar cada caso e identificar as causas do problema e determinar um plano de ação.

Ou seja, o fonoaudiólogo é quem vai direcionar as ações da equipe.

É importante também definir o método psicopedagógico que deverá ser utilizado com a criança, orientar os pais ou tutores e acompanhar os avanços.

Sendo assim, se seu filho produz textos com troca de letras na escrita, ou você percebe que ele é desatento, tem dificuldades de leitura e não consegue aprender regras gramáticas procure um fonoaudiólogo que possa avaliá-lo.

Nós podemos ajudá-lo! Marque agora mesmo uma consulta para que possamos te conhecer melhor: Whatsapp 11 99460-8548

4 comments

  1. Avatar

    Júlia - 08/05/2019 11:21 PM

    Olá . Também estou passando por essa questão de troca de pelas com meu filho. Ele tem 9 anos e está no quarto ano do fundamental. Você acredita que nessa idade ainda seja possível reverter esse problema com um acompanhamento com um fonoaudiólogo?
    Desde já agradeço e parabenizo pelo excelente texto.

    Responder
    • Avatar

      Dra. Giovana Micheli - 13/05/2019 4:01 PM

      Olá Júlia. Obrigada pelo seu comentário.

      Sim, temos como tratar sim! O acompanhamento fonoaudiológico ajuda muito, mas a fono precisa ser especialista em leitura e escrita. Se desejar, entre em contato conosco pelo WhatsApp 11 99460-8548.

      Responder
  2. Avatar

    Marcia De Sá Marini - 02/04/2019 9:11 PM

    Olá! Tudo bem?
    Ótimo texto! Estou passando por algo similar com a minha filha, sobre a Disortografia.

    Sendo assim, preciso de uma avaliação profissional. Gostaria de saber se vocês têm consultório em São Paulo, próximo à Vila Mariana ou região.

    Desde já agradeço!
    Abraços.

    Responder
    • Avatar

      Dra. Giovana Micheli - 09/04/2019 12:31 AM

      Olá Márcia, eu fico feliz por ter ajudado! Infelizmente não temos consultório nesta região, estamos localizados em Barueri, no Tamboré. Forte Abraço!

      Responder

Qual a sua opinião